quinta-feira, 1 de abril de 2010

Dois AVAÍS distintos

No primeiro tempo do jogo de ontem vimos o mesmíssimo AVAÍ que temos acompanhado neste estadual. Com uma defesa e um goleiro firmes mas que não passa muito disto. Os volantes com pouca pegada, meia com pouca inspiração e atacantes que não recebiam bolas redondas. A tônica era o chutão que invariavelmente sobravam para o time coxa branca. Como o adversário era muito mais qualificado que qualquer um do campeonato catarinense, sofremos uma pressão mas conseguimos sair para o intervalo com um 0x0 que ficou de bom tamanho.
O Chamusca aproveitou que o Émerson Nunes havia machucado a cabeça no primeiro tempo e sacou este guerreiro para entrada do Leonardo. Sem olhar o que aconteceu no jogo eu diria que ele deveria ter colocado um meia pois o problema não estava no ataque e sim no meio que não conseguia fazer a bola chegar no Vandinho nem no Sávio lá na frente. Mas a entrada do Leonardo funcionou. Ele deu uma recuada no Sávio e alternamos o 4-4-2 com o 4-3-3. Começamos a tomar conta do jogo e aos poucos fomos criando oportunidades de abrir o marcador.
Chamusca resolveu tirar o Rudinei, que está mais parecendo um boneco do Berbigão do Boca do que um jogador, e promoveu a estréia do Marcinho Guerreiro que entrou muito bem melhorando a marcação e liberando mais o Batista para armar, mas a principal qualidade agregada com a entrada do Marcinho foi a atitude do jogador. Já chegou pegando, marcando firme, com raça e mostrando que ali ninguém ia brincar. O futebol do Batista cresceu bastante e lembrou o capitão do acesso.
Numa jogada iniciada pelo Sávio que tocou para o contestado Leonardo, este serviu o contestado Uendel que cruzou, Vandinho dividiu e sobrou para o contestado Caio, o pé murcho, marcar seu gol após falha do festejado, e enaltecido pela nossa imprensa, Édson Bastos. Todos estes jogadores contestados foram fundamentais para nossa vitória ontem, não pela jogada do gol mas pela raça demonstrada.
Continuamos melhor na partida e perdemos outras oportunidades. Quando o juiz assinalou 4 minutos de descontos eu gelei, 49 minutos de novo não. E foi nos acréscimos que o Rafael fez outro pênalti bobo (é o segundo, e em nenhum deles sofremos gol). Marcos Aurélio quis ser mais esperto fazendo a paradinha mas o leão Zé Carlos foi mais esperto do que ele, ficou parado e deixou o atacante apavorado, tanto que ele desperdiçou a oportunidade.
Vitória na raça, na vontade e na dedicação dos atletas. Chamusca também teve méritos, mas tem que deixar de ser cagão. A entrada do Gabriel logo após o nosso gol foi precipitada.
Agora temos que manter esta postura no estadual, com seriedade e gana de vencer. O Chamusca poderia aproveitar a suspensão do Émerson Nunes e jogar a formação do segundo tempo, assim tiraremos o time de trás e vamos pra cima deles.

2 comentários:

Rodrigo V. R. disse...

Não seria distinto.
Destinto = sem cor, descorado.
Distinto = diferente.

Sandro disse...

Valeu Rodrigo, já corrigi.
Saudações Azurras,
Sandro